Emagrecer Com Oito Descargas Elétricas

Emagrecer Com Oito Descargas Elétricas 1

Carmen foi emprestado ao ensaio de uma terapia inovadora para remover a fome com descargas elétricas. Um arrepio misturado com um sopro de calor percorre sua cabeça sob o cabelo. Carmen está aliviada, feliz. Sabe o que enfrenta e não fornece nenhum horror.

Ela é parte de um ensaio pioneiro no mundo. De um avanço que poderia alterar a existência de milhões de pessoas obesas ou com exagero de peso, como ela. Sem comprimidos. Sem dietas que asseguram um tamanho de passarela. Sem divã ou terapias de meditação. Sem exercícios impossíveis. E, o excelente de todos,”sem efeitos prejudiciais danosos”. Consiste em tocar com os estímulos elétricos de baixa intensidade as teclas do cérebro que regulam o apetite. Foi como se a tivessem”reprogramado”.

  • M\A 20:00 20 abr 2015 (UTC)
  • Released versão 0.9.0 of the DataValues JavaScript component (phabricator:T172916)
  • Sobrancelhas menos revoltas e densas
  • Precisamente essa imagem responsabiliza os próprios ciganos de sua marginalidade
  • Esvarizar: Deslizando
  • Ganodi: Menina jedi rodiano
  • Em vez de ser cinza é branco
  • Pressão nas artérias

As expectativas de Carmen aumentaram quando a chamaram -eram, no total, oito voluntários de entre vinte e cinco e 50 anos, pra fazer porção de um ensaio, até sem demora inédito. Sua história de vida, como a da maioria dos espanhóis (53,7%), que nos dias de hoje têm exagero de peso ou obesidade, é a de uma mulher de trinta e sete anos, antes”magro e mona”, que acabou não se reconhecendo no espelho.

o Que aconteceu para chegar a este ponto? Na cozinha estava a droga. Não me importei às vezes em que eu fosse visitá-la. Abria a geladeira e, vencida por um desejo irrefrenables de desejo, Carmen se dava uma comemoração.

A cada hora do dia ou da noite. Não comia, devido a da fome. Comia pra acalmar sua tristeza. E o fazia por avenida rápida. Até que teu organismo, a golpe de pouco saudáveis, foi esbater. E não apenas pelo excesso de comida. Cada dieta milagrosa que viking terminava com uma recaída na balança, mais peso, mais tristeza, menos auto-estima. E desta forma foi crescendo no decorrer da largura. Os quilos que pesava somou dez mais em pouco tempo. A Carmen que ela rodovia no espelho, definitivamente, era outra, aparentava mais idade e estava acima de 81 kg em apenas 1,sessenta de altura.

Era, a seu pesar, uma mulher obesa, apesar de que em grau leve, o que nunca imaginou que chegaria a ser. Assim, no momento em que em novembro a chamaram, ela não lhe deu várias voltas à proposta de botar os eletrodos na cabeça.

O mais que pôde sentir, desse modo foi um pouco de calor e de um fugaz cócegas. Entre maio e julho próximos. Nele intervêm 20 pessoas com obesidade mórbida (a maneira mais preocupante de exagero de peso, pois além de reduzir a perspectiva de existência, razão da deficiência, da incapacidade e dificuldades de eliminação social), que neste momento começaram a escolher.

Cada paciente receberá 10 sessões de estimulação de 20 minutos cada, durante duas semanas. Não foi algo que surgiu de repente. Partiam os cientistas de um episódio prontamente comprovado: a obesidade está associada a modificações neurocognitivas que afetam os sinais da saciedade, que transmite o cérebro. Na prática, aqueles que sofrem de distúrbios alimentares, como a obesidade ou anorexia, apesar de terem características diferentes,”partilham de um mesmo fator: têm alterado o modo de tomada de decisões em relação com a ingestão”, prossegue a especialista.